Artigos

Demanda por crédito na cafeicultura ainda é alta

Published by
Demanda por crédito na cafeicultura ainda é alta. Foto: Pixabay

Além de ser uma das bebidas mais consumidas do mundo, o café também é uma fonte de renda para milhões de produtores ao redor do planeta. No Brasil, o plantio do grão desempenha um papel crucial na economia. O país é o maior produtor mundial de café e o segundo maior consumidor do mundo, atrás somente dos Estados Unidos. As condições climáticas e geográficas favorecem o cultivo em larga escala.

Em 2022, o Brasil exportou cerca de 2,2 milhões de toneladas, o equivalente a 39,4 milhões de sacas de café, sendo responsável por cerca de 33% da produção mundial do grão e movimentando mais de US$9,2 bilhões no período. Então, em 2023, a exportação brasileira de café está estimada entre 37 milhões e 38 milhões de sacas de 60 kg até o final do ano, segundo o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil.

Desafios para o produtor rural e Demanda por crédito na Cafeicultura

O café é uma cultura que requer cuidados especiais desde o plantio até a colheita. Os produtores precisam estar atentos a diversos fatores, como o clima, a qualidade do solo e os métodos de cultivo. Todos esses elementos são essenciais para garantir a produção de um café de qualidade, que será valorizado no mercado. Os produtores precisam lidar também com problemas como pragas e doenças que podem afetar a produtividade das plantas. 

Segundo João Fossaluza, vice-presidente da Atto EXP Empresarial, especializada em fomentar e realizar operações estruturadas para o agronegócio, apesar da importância do grão de café para a economia nacional, mais de 70% dos produtores rurais não conseguem ter a demanda por crédito atendida em sua totalidade. Assim, os motivos incluem falta de organização documental, projeto e ausência de conhecimento. “Se o produtor precisa de R$1 milhão para custeio, por exemplo, ele consegue performar apenas R$600, R$700 mil. Ou seja, ele está sempre buscando novas possibilidades de crédito”, esclarece.  

De acordo com Fossaluzza, a escassez de informações sobre o tema ainda é um desafio para muitos produtores rurais que desejam obter acesso ao crédito. “Na Atto Agro, nós elaboramos e executamos os projetos para tomada assertiva de crédito, oferecendo assessoria em todas as etapas. Nosso foco é maximizar a rentabilidade de nossos clientes, gerando economia (redução de custos) e alavancagem de receitas”, explica o especialista.  

Related Post

Linha de correção de solo

Fossaluzza cita como exemplo a Linha de correção de solo, pouco acessada pelos produtores, porém de significativa importância para a agricultura. Através dela, o produtor obtém financiamento para aumentar a fertilidade do solo e realizar o plantio da cultura, produzindo o maior volume possível em boa qualidade. “A linha de correção de solo oferece diversos benefícios: são até três anos de carência (sem pagar nada) e um prazo de até dez anos para amortizar a dívida. Ou seja, ela é muito mais vantajosa para o produtor, pois proporciona um fôlego de caixa”, ressalta.  

A cultura do café movimenta a economia, gerando emprego e renda. O estado de Minas Gerais é o maior produtor do grão no país, respondendo por mais de 50% do volume nacional. Além do aspecto econômico, o plantio de café também possui um relevante impacto social. Aliás, muitas regiões produtoras de café são áreas rurais, onde a agricultura é a principal atividade econômica. O café proporciona uma alternativa de trabalho para os agricultores, evitando o êxodo rural e contribuindo para o desenvolvimento sustentável dessas comunidades. 

Meio ambiente

Outro aspecto importante é a preservação ambiental. Os produtores de café têm um papel fundamental na conservação dos recursos naturais, como a água e o solo. Assim, a adoção de práticas sustentáveis, como o manejo adequado dos resíduos e a utilização de técnicas de cultivo que minimizem o impacto ambiental, é essencial para garantir a continuidade da produção de café a longo prazo.

O plantio de café desempenha um papel de suma importância tanto do ponto de vista econômico como social e ambiental no país. Para Fossaluzza, o produtor precisa apenas de conhecimento para investidor no setor, pois o retorno é garantido. “A Atto Agro oferece linhas de crédito para produtores rurais interessados em obter financiamento com juros baixos para investir em sistemas de irrigação, correção de solo, armazenagem de commodities e nos demais insumos necessários para o plantio. Somos especialistas em fomentar e realizar operações estruturadas para o agronegócio, garantindo as melhores opções de crédito do mercado”, finaliza o especialista, da Atto EXP Empresarial.

Gostou de “Demanda por crédito na cafeicultura ainda é alta”?

Então, leia mais em Notícias.

Share
Published by
  • Recent Posts

    Qual o Futuro Tecnológico do Agronegócio?

    Diante de crescimento financeiro do Ramo Agropecuário, as cooperativas baianas se preparam e estão de… Leia Mais

    03/03/2024

    Agrotech: startups trazem tecnologia e inovação para o agronegócio

    Agrotechs: O cenário das agrotechs ocupa o terceiro lugar (11,8%) entre os segmentos mais comuns… Leia Mais

    03/03/2024

    Árabes e Brasileiros: Diferenças e Semelhanças quando o assunto é o café

    Semana Internacional do Café teve demonstração do preparo à moda das aldeias árabes em programação… Leia Mais

    03/03/2024

    O que é Café Arábica?

    O que é Café Arábica? Você já deve ter ouvido falar neste nome, correto? Afinal,… Leia Mais

    03/03/2024

    Café orgânico vs café convencional: a diferença é real

    Você sabe a diferença? Entenda as diferenças de produção, sabor e impacto ambiental entre o… Leia Mais

    03/03/2024

    6 Estratégias de marketing internacional de empresas agrícolas

    6 Estratégias de marketing internacional de empresas agrícolas: Confira estas dicas de Ricardo Martins, especialista… Leia Mais

    15/02/2024

    Este site possui cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com a utilização.

    Leia Mais