Artigos

Qual o Melhor Café do Mundo?

Published by

Como você deve perceber, o Café é a bebida mais querida da maioria dos brasileiros. Aliás, não só por aqui ele é tão apreciado, mas em todo o mundo, sendo a segundo preferida. Mas, afinal, qual o melhor café do mundo?

Para nos ajudar nesta busca, sem entrar no mérito de preferências pessoais, utilizaremos a Metodologia de Avaliação Sensorial da SCA (Specialty Coffee Association). Ademais, esta é a usada em qualquer canto do mundo, onde haja ao menos um amante do café. Portanto, para indicar o nível de qualidade dos grãos, eles são classificados como café tradicional, superior e especial.

Como medir Qual o Melhor Café do Mundo?

Sendo assim, estabelecendo o valor de compra e venda no mercado de cada um deles. Então, de acordo com esse método, o café especial é todo aquele que, na escala de 0 a 100, atinge ao menos 80 pontos.

O café Tradicional tem sua nota por volta de 45 a 59, o Superior varia de 60 a 70. Todavia, caso a nota seja abaixo de 45, o café não é recomendado. Sem mais delongas, vamos ao Top 10 Coffee Awards … ok, inventamos o nome agora, mas serve de inspiração, afinal com um bom café na caneca, grandes ideias já surgiram!

#10 – Kona Coffee (Havai)

Este é o nome comercial do café (Coffea arabica) cultivado nas encostas de Hualalai e Mauna Loa nos distritos norte e sul de Kona na Ilha Grande do Havaí . É um dos cafés mais caros do mundo. Apenas o café dos distritos de Kona pode ser descrito como “Kona”. O clima das manhãs ensolaradas, nublado ou chuvoso à tarde, pouco vento e noites amenas combinados com solo vulcânico poroso e rico em minerais criam condições favoráveis ​​para o cultivo do café.

O café Kona floresce em fevereiro e março. Pequenas flores brancas conhecidas como “Kona snow” cobrem a árvore. Bagas verdes aparecem em abril. No final de agosto, os frutos vermelhos, chamados de “cereja” por causa da semelhança com uma cereja, começam a amadurecer para colheita. Cada árvore, colhida várias vezes entre agosto e janeiro, fornece cerca de 15 quilos de cereja, que resultam em cerca de dois quilos de café torrado.

Dentro de 24 horas após a colheita, a cereja passa por um despolpador . Os grãos são separados da polpa e depois colocados durante a noite em um tanque de fermentação. Leva cerca de 12 horas o tempo de fermentação em baixa altitude ou 24 ,em altitude mais elevada. Os grãos são enxaguados e espalhados para secar em um hoshidana ou escorredor. As hoshidanas tradicionais têm um telhado rolante para cobrir os feijões na chuva. Leva de sete a 14 dias para secar os feijões até um nível ideal de umidade. Então, os grãos vão para armazenagem como um pergaminho. O pergaminho é moído do feijão verde antes da torrefação ou venda no atacado.

#10 – Kona Coffee (Havai). Foto: Reprodução da Internet

#9 – Yirgacheffe (Etiópia)

Conhecido por seu sabor doce e aroma com corpo leve a médio. Os Yirgacheffes etíopes são picantes e perfumados, e são frequentemente avaliados e classificados como alguns dos cafés Arábica de maior qualidade do mundo. Sua reputação premium também significa que eles carregam um preço premium, mas mesmo assim, eles oferecem melhor custo-benefícios com relação a outros que verás neste artigo.

O café Yirgacheffe é um processado por via úmida, sendo cultivado em altitudes de 1.700 a 2.200 metros acima do nível do mar. Além disso, é considerado o melhor café cultivado no sul da Etiópia , uma região cafeeira exótica conhecida por seus cafés finos. Essas elevações qualificam os Yirgacheffes como cafés Strictly High Grown (SHG) / Strictly Hard Bean (SHB), onde os cafés crescem lentamente devido à altitude, permitindo mais tempo para a árvore fornecer nutrientes ao café e desenvolver os melhores sabores.

Um bom café Yirgacheffe etíope exibe uma acidez brilhante junto com sabores intensos e limpos e uma complexidade de notas florais no aroma , às vezes com um toque de coco torrado. Notas de degustação frequentemente mencionam o retrogosto vibrante, e o café pode exibir tons de frutas vermelhas ou vinho.

#9 – Yirgacheffe (Etiópia). Foto: blog.algrano.com

#8 – Antigua (Guatemala)

O café Guatemala Antigua vem do vale vulcânico de Antígua, uma das muitas regiões produtoras de café na Guatemala. Os três vulcões da região criam um vale com condições perfeitas para o cultivo do café, que os cafeicultores utilizam com prazer. Com uma elevação de cerca de 4.000 a 6.000 pés acima do nível do mar e padrões climáticos um tanto previsíveis, o vale de Antígua, na Guatemala, produz um dos melhores grãos de café da América do Sul.

Os agricultores da região de Antígua plantam seus pés de café em altitudes elevadas ao longo da encosta da montanha, onde a umidade não varia com frequência. Então, com chuva e sol mais do que suficientes para nutrir as plantas, a região de Antígua, na Guatemala, produz alguns dos cafés da mais alta qualidade do mundo.

Muitas pessoas que experimentam uma xícara de café Guatemala Antigua descobrem que ele tem um toque especial devido à acidez cítrica brilhante. Tem uma base achocolatada com fortes camadas de caramelo com sabor e toque de xarope. Possui um aroma floral e defumado que também está presente no sabor, que pode ser pronunciado dependendo dos métodos de preparo.

A maioria dos grãos de café do vale de Antígua é Arábica, que é o tipo de grão de café mais popular do mundo . A maioria dos cafés arábica provenientes da região de Antígua são as variedades Bourbon e Caturra, cada uma com seus próprios perfis de sabor. O café Guatemala Antigua, em geral, tem um sabor único, mas os diferentes tipos de grãos Arábica têm suas próprias notas aprimoradas.

#8 – Antigua (Guatemala). Foto: Reprodução da Internet

#7 – Quênia AA (Quênia)

O café queniano tem o processo por via úmida. Isso difere consideravelmente do processo seco usado na Etiópia. No beneficiamento a seco, os frutos do café são deixados para secar ao sol. Então, depois de seco, remove-se a pele e o café é processado. No caso do processamento úmido, a fruta acaba retirada antes da secagem. Os dois processos têm um efeito enorme no sabor geral do café.

Kenya AA não é um tipo específico de café ou um indicador de região de cultivo. Em vez disso, é o nível superior do sistema de classificação de café queniano. Os grãos AA são os melhores disponíveis e cada grão precisa atender aos requisitos do grau.

Os feijões AA do Quênia são considerados por seu corpo leve, sabor brilhante e sabor floral intenso. Junto com as notas florais, espere sentir notas de frutas tropicais, bagas e vinho. Embora o café possa ter um sabor rico, quase sempre é temperado por uma acidez brilhante e refrescante. Além disso, reconhecido por seu sabor picante e doce.

#7 – Quênia AA (Quênia). Foto: Reprodução da Internet

#6 – Los Planes (El Salvador)

Produzido na fazenda Los Planes a partir de árvores da variedade Bourbon a uma altitude de aproximadamente 5.300 pés pelo fazendeiro Sergio Edmundo Ticas Reyes. Aqueles que apreciam a cereja ácida e o caráter pungente de bagas de um café torrado mais leve da variedade Bourbon.

O que valida a fama desse café de terroir, cultivado em Citalá, El Salvador, é a performance nas provas do concurso Cup of Excellence: em 2006, o Los Planes atingiu os 95,3 pontos, e mantém os números desde então.

Sendo assim, é cultivado em propriedade familiar e composto pela varidade Pacamara, resultado do cruzamento entre o Paca e o Maragogype. Portanto, o que se tem são grãos grandes, apresentado no mercado com diferentes perfis de sabor.

Entretanto, em comum no paladar é a composição por notas frutadas sutis, especialmente amora e framboesa, nozes, acidez equilibrada e corpo médio. Em suma, é agradável em qualquer parte do mundo.

#6 – Los Planes (El Salvador). Foto: Reprodução da Internet

#5 – Blue Mountain (Jamaica)

O café jamaicano Blue Mountain é considerado por seu sabor equilibrado e suave, acidez brilhante e limpa e quase total ausência de amargor. Apesar da alta acidez, o café também é encorpado, o que cria uma combinação extremamente inusitada que resulta em um café rico e cremoso, além de brilhante e picante.

A colheita dos agricultores ocorre somente depois que está maduro, completamente vermelho. As bagas colhidas à mão e colocadas para flutuar na água em cada fazenda. Então, se descarta as bagas flutuantes se tiverem grãos subdesenvolvidos ou danos causados ​​por insetos. Em seguida, os agricultores levam o café bom para uma das mais de 80 estações de coleta, sendo flutuado novamente para garantir que apenas o café pré-flutuado seja recebido na fábrica.

Assim que chega à fábrica, colocado em grandes tanques de retenção e minuciosamente inspecionado para eliminar qualquer cereja fermentada, verde ou infestada de insetos. Em seguida, é lavado para retirar a mucilagem, substância açucarada da parte externa do grão. O produto que resta após a lavagem é um grão marrom cremoso conhecido como pergaminho úmido.

Related Post

O pergaminho úmido então colocado em grandes lajes de concreto, chamadas churrasqueiras, para secagem. Isso pode levar até 5 dias, dependendo das condições de luz solar. 

O próximo passo é o período de descanso. O pergaminho seco é agora ensacado e levado para o armazém onde ficará pelo menos dez semanas. Esta é uma fase crítica do processamento onde ocorrem certas características únicas. Depois de descansados, os grãos estão prontos para serem descascados.

#5 – Blue Mountain (Jamaica). Foto: Reprodução da Internet

#4 – Santa Helena (Ilha de Santa Helena)

Em 16 de outubro de 1815, o derrotado imperador francês Napoleão Bonaparte chegou a Santa Helena e iniciou seu exílio imposto. Sua casa seria Longwood House, onde permaneceria até sua morte em 5 de maio de 1821. E foi assim que a remota ilha se tornou mundialmente conhecida. E é de onde vem o #4 lugar desta lista, por conta de um dos cafés mais bem avaliados do mundo!

O café Santa Helena é processado por via úmida no mais alto padrão possível, com um maravilhoso brilho semitranslúcido em forma de grão verde.

Este delicado grão, uma vez torrado, terá bom equilíbrio na taça com boa acidez frutada, ricas notas de cereja preta e um agradável final de boca achocolatado que perdura no paladar e notas de suas origens iemenitas.

O café Santa Helena é submetido ao mais rigoroso controle de qualidade. Devido à quantidade relativamente pequena de café produzido, é possível dar ao café mais atenção do que uma indústria cafeeira maior poderia esperar. Todavia, um dos maiores desafios para a produção de café em Santa Helena é a grande escassez de mão de obra agrícola local.

#4 – Santa Helena (Ilha de Santa Helena). Foto: Reprodução da Internet

#3 – Kopi Luwak (Indonésia)

O Kopi luwak ou café civeta , é o café mais caro e de baixa produção do mundo. Feito de grãos de café que foram comidos pelo civeta de palmeira asiática (o simpático animal da imagem mais abaixo) ou outros civetas, e então passaram por seu trato digestivo. Uma civeta come as bagas por sua polpa carnuda. Sendo assim, em seu estômago, as enzimas proteolíticas penetram no feijão, produzindo peptídeos mais curtos e mais aminoácidos livres. Passando pelos intestinos de uma civeta, os grãos são então defecados, mantendo sua forma. Após a colheita, lavagem completa, secagem ao sol, torrefação leve e infusão, esses grãos produzem um café aromático com muito menos amargor, amplamente considerado o café mais caro do mundo.

Kopi luwak tem um sabor diferente dos cafés de torra pesada, já que os níveis de torra variam apenas da cor canela a média, com pouca ou nenhuma caramelização dos açúcares nos grãos, como acontece com a torra pesada. Além disso, kopi luwaks, que têm perfis muito lisos, geralmente recebem uma torra mais leve. As cervejas kopi luwak geladas podem trazer alguns sabores não encontrados em outros cafés.

#3 – Kopi Luwak (Indonésia). Foto: Reprodução da Internet

#2 -Elida Geisha (Panamá)

O café Elida Geisha tem um sabor distinto, floral e frutado, que pode variar dependendo da origem. Pode ter um toque de frutas cítricas, manga, mamão, goiaba e muitos outros sabores de frutas exóticas.

Considerada o melhor café Geisha do mundo, pois obtém repetidamente o maior número de pontos de todos os concorrentes da Specialty Coffee Association (SCA), sempre pontuando acima de 90.

Produzido em uma condição única no mundo por vários motivos. A fazenda localizada em uma altitude muito alta, cultivada em solos vulcânicos jovens e ricos, as temperaturas baixas, há muito nevoeiro e neblina durante a estação seca. Os cafeeiros são cercados por mata virgem nublada, as noites são frias. Portanto, levando uma árvore de 4 1/2 a 5 1/2 anos para começar a produzir (2 ou 3 anos a mais para produzir do que a média), estes as baixas temperaturas também prolongam o tempo de amadurecimento 1 mês a mais (assim o desenvolvimento do feijão). Todas essas condições únicas de cultivo aparecem em uma xícara diferenciada.

#2 -Elida Geisha (Panamá). Foto: Reprodução da Internet

#1 – Black Ivory (Tailândia)

Com notas de chocolate, malte, especiarias, um toque de grama e sem o sabor queimado ou amargo do café comum, Black Ivory Coffee será a xícara mais diferenciada que você já experimentou, mesmo que não seja um especialista em café! Afinal, é a atual campeã!

Com uma produção aproximada de 215 kg neste ano de 2022, o Black Ivory Coffee é o café mais raro do mundo. Sendo assim, vendido principalmente para hotéis cinco estrelas selecionados. 

Sendo assim, após dez anos de fabricação, o Black Ivory Coffee produzido por um processo pelo qual as cerejas do café são naturalmente refinadas por elefantes tailandeses na remota província rural de Surin, na Tailândia.

​Começa com a seleção das melhores cerejas 100% arábica tailandesas, colhidas de uma altitude de até 1.500 metros. Em seguida, as cerejas seguem para Surin, onde cada família que cuida dos elefantes mistura as cerejas com a comida favorita do elefante. Exemplos incluem: arroz, banana e tamarindo. Essa combinação ajuda a garantir que o elefante goste do lanche e que haja um benefício nutricional adicional. Cada elefante tem sua própria receita, pois seu gosto, assim como o humano, é subjetivo. Uma vez ingerido, o processo digestivo começará e isso pode levar entre 12 a 72 horas, dependendo da quantidade de comida já no estômago do elefante.

Qual o Melhor Café do Mundo? Elefantes respondem …

Uma vez depositadas pelos elefantes, os cuidadores dos elefantes colherão a dedo as cerejas, individualmente. Então, levadas para a escola local, onde os alunos do último ano do ensino médio são pagos para lavar, varrer e secar ao sol as cerejas do café. 

Depois de secas até uma certa porcentagem de umidade, as descascarão as cerejas e classificarão por máquina, para densidade e manualmente para defeitos físicos e tamanho. Apenas os tamanhos maiores são escolhidos para garantir uma torra uniforme. 

Em seguida, os grãos são torrados, embalados em saco valvulado unidirecional para garantir o frescor e despachados. Para garantir o frescor, o Black Ivory Coffee torra sob encomenda e não armazena o café torrado.

Entretanto, são necessários aproximadamente 33 quilos de grãos de café para produzir apenas um quilo de café Black Ivory . Sendo assim, o resultado é uma taça muito distinta com notas de chocolate/cacau, especiarias, (tabaco e couro), um toque de erva e cereja vermelha. Aliás, Black Ivory Coffee não tem amargor, sendo delicado, quase como o chá em sua complexidade. 

Foto: Reprodução da Internet

Quem diz Qual o Melhor Café do Mundo?

A Specialty Coffee Association (SCA) é uma associação comercial construída sobre fundamentos de abertura, inclusão e o poder do conhecimento compartilhado. Portanto, o propósito da SCA é promover comunidades cafeeiras globais para apoiar atividades que tornem o café uma atividade mais sustentável, equitativa e próspera para toda a cadeia de valor. De cafeicultores a baristas e torrefadores, nossa associação abrange todo o mundo, abrangendo todos os elementos da cadeia de valor do café. Então, a SCA atua como uma força unificadora na indústria de cafés especiais e trabalha para tornar o café melhor, elevando os padrões em todo o mundo por meio de uma abordagem colaborativa e progressiva. Dedicada a construir uma indústria que seja justa, sustentável e estimulante para todos, a SCA baseia-se em anos de insights e inspiração da comunidade de cafés especiais.

Qual o Melhor Café do Mundo?

O Cup of Excellence é o principal concurso de qualidade para café do mundo. A BSCA realiza este concurso desde o ano 2000, e hoje conta com apoio da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e da “Alliance for Coffee Excellence” (ACE). Sendo assim, este concurso está aberto a todo produtor brasileiro de café arábica, sendo uma das ações do Plano Internacional de Marketing para a Promoção dos Cafés Especiais Brasileiros proposto pela associação.

O lote campeão é produzido por Vitor Marcelo de Queiroz Barbosa, na Fazenda Cachoeira, em Carmo do Paranaíba. Alcançou a nota de 90,5 pontos, e ganhou como o melhor café brasileiro da safra 2021.

Gostou de “Qual o Melhor Café do Mundo?”?

Então, leia mais em Nossas Notícias.

Share
Published by
  • Recent Posts

    Qual o Futuro Tecnológico do Agronegócio?

    Diante de crescimento financeiro do Ramo Agropecuário, as cooperativas baianas se preparam e estão de… Leia Mais

    03/03/2024

    Agrotech: startups trazem tecnologia e inovação para o agronegócio

    Agrotechs: O cenário das agrotechs ocupa o terceiro lugar (11,8%) entre os segmentos mais comuns… Leia Mais

    03/03/2024

    Árabes e Brasileiros: Diferenças e Semelhanças quando o assunto é o café

    Semana Internacional do Café teve demonstração do preparo à moda das aldeias árabes em programação… Leia Mais

    03/03/2024

    O que é Café Arábica?

    O que é Café Arábica? Você já deve ter ouvido falar neste nome, correto? Afinal,… Leia Mais

    03/03/2024

    Café orgânico vs café convencional: a diferença é real

    Você sabe a diferença? Entenda as diferenças de produção, sabor e impacto ambiental entre o… Leia Mais

    03/03/2024

    6 Estratégias de marketing internacional de empresas agrícolas

    6 Estratégias de marketing internacional de empresas agrícolas: Confira estas dicas de Ricardo Martins, especialista… Leia Mais

    15/02/2024

    Este site possui cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com a utilização.

    Leia Mais